sexta-feira, 26 de maio de 2017

Brigas na fazenda Santa Etelvina (parte 2)

Fazer desfeita de alguém ou não aceitar bebida, comida e etc...É uma tradição antiga que passa de geração para geração.Mais chegar ao fato de esfaquear alguém pelo motivo de desfeita, nunca tinha visto antes.

Esse Italianos que chegaram no Brasil, devem ser estudados a fundo,porque brigavam por qualquer motivo aparente.
video


    Esse trabalhadores Italianos foram citados no TCC de Marcio Reis,
Como podemos observar ao longo do texto há uma forte presença de italianos na fazenda, isso se deve por dois fatores marcantes ocorridos no século XIX, o primeiro e que constitui nesse século uma política na qual coloca o raça do branco europeu como o mais civilizado, em relação as demais raças, colocando-as como inferiores, atrasadas, fazendo com que, para que um país seja considerado desenvolvido, um dos fatores seria uma política de branqueamento da sua população, diante disto países como o Brasil, começam a estimular a vindo de imigrantes europeus, em detrimento de outras raças, como por exemplo os africanos, que já estavam presentes aqui no país desde o século XVI, sendo usado como mão de obra escrava, mais devido a essas teorias legitimadas pela ciência, não se preocupou em criar uma política de inserção do negro na sociedade brasileira. O segundo é que essa política de imigração subvencionada, fará com que o Brasil recebe uma grande quantidade de imigrantes europeus, principalmente italianos, pois esse país, foi um dos últimos países europeus, a se unificar como Estado Moderno ocorrido por volta de 1860, a unificação trouxe uma grande problema, para os italianos, pois o norte do país era industrializado e o sul era agrária e muito populoso, não se tinha como acomodar toda essa população do sul, o que nesse contexto, começou – se a se estimular uma campanha de imigração dessa população excedente, criou-se então a política ideológica do fardo do homem branco, que constituía levar a missão civilizadora aos povos considerados atrasados, inferiores, como no caso o Brasil e os países africanos, asiáticos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário